Domingo, 21 de Outubro de 2018

O Repórter

Macedônia chega a acordo com Grécia e mudará de nome

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação... - 12 de junho de 2018 às 21:20

SKOPJE, MAC (ANSA) - Após um braço de ferro de quase três décadas, Macedônia e Grécia finalmente chegaram a um acordo sobre o nome da ex-república iugoslava, colocando fim a uma disputa que bloqueava o caminho de Skopje rumo à União Europeia e à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

O novo nome do país será "República da Macedônia do Norte", segundo um pacto acertado entre o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, e o premier macedônio, Zoran Zaev, que assinarão o documento no próximo fim de semana.

"Tenho uma boa notícia. Agora há pouco, entramos em acordo com o colega macedônio sobre o novo nome da ex-República Iugoslava da Macedônia", declarou Tsipras em Atenas, mas sem anunciar o nome. Simultaneamente, em Skopje, Zaev revelava a seus cidadãos que eles passarão a viver na República da Macedônia do Norte.

"Dissemos sim a esse acordo histórico pelo futuro dos macedônios, pelo futuro de nossos jovens", declarou o primeiro-ministro, acrescentando que o nome respeita a identidade nacional e a língua da Macedônia e abre caminho para a sonhada integração euroatlântica, bloqueada por mais de duas décadas pelo veto sistemático de Atenas.

A Grécia rejeitava o nome "Macedônia", que também batiza sua província mais setentrional, por acreditar que ele pertence exclusivamente ao patrimônio histórico e cultural helênico e que o jovem país pudesse usá-lo para pretensões territoriais.

Por isso, após a dissolução da Iugoslávia, a Grécia conseguiu que a nação vizinha fosse reconhecida pelas Nações Unidas pelo acrônimo "FYROM", ou "Ex-República Iugoslava da Macedônia" em inglês.

Em abril passado, a Comissão Europeia, à luz dos progressos nas negociações com Atenas, dera parecer favorável à abertura de tratativas para a adesão de Skopje, processo que pode ser acelerado daqui em diante. O acordo, no entanto, precisa ser ratificado pelo Parlamento e será submetido a referendo popular, provavelmente no outono europeu. 

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: