Sexta, 24 de Novembro de 2017

O Repórter

Lilah Wildhagen

Lilah Wildhagen é juíza de paz, formada em Direito pela Universidade Gama Filho. Idealizou o quadro "Ajuda Legal" onde respondia às dúvidas das pessoas sobre seus direitos pela TV ou pelo rádio.
Lilah Wildhagen

Ajuda Legal - As calçadas e as ruas são para o povo

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Lilah Wildhagen - 13 de novembro de 2013 às 11:01
reprodução
Aqui uma calçada de um município de Pernambuco, que poderia ser em qualquer lugar do país

Quando os "black blocs" invadiram as manifestações e externaram sua revolta quebrando tudo, a grande maioria de nós, os cidadãos, ficamos abismados. Mas, no dia a dia, o público é desrespeitado.

Vejo, nossas calçadas ocupadas  por cadeiras e mesas que impedem o ir e vir do cidadão, como se as calçadas pertencessem aos invasores donos de bares e restaurantes. E, pasmem, os frequentadores, ainda fazem cara feia quando alguém força a passagem.

Vejo os valetes cercando territórios nas  ruas e também as calçadas com seus cones, como se tivessem a escritura de compra e venda registrada em registro geral de imóveis. Caminhões que param aonde querem e distribuem as cargas pelas calçadas, como se tivessem o contrato de aluguel do espaço. Árvores que são desplantadas e mortas, apenas porque estão incomodando um ou poucos moradores.

Quantas e quantas vezes tropecei em calçadas esburacadas, desviei de caixas de esgoto vazando, fui "espantada" por funcionários de prédios com suas vassouras... Convivemos, sem nenhum espanto,  com " Black blocs" diariamente. Precisamos reagir, denunciar, reclamar, recorrer à Justiça.

Ajuda Legal - Sangue mais ou menos Bom

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Lilah Wildhagen - 03 de outubro de 2013 às 13:35
fotos: divulgação
O ricaço passa mal, acaba morrendo e a novela passa a mensagem de que a união não fora consumada

Tenho assistido a novela Sangue bom, porque a história é do tipo que gosto, suave e risível. Mas, ultimamente, ao invés de me divertir, tenho me aborrecido muito com as ignorâncias veiculadas.

Iniciaram colocando prevaricar como sinônimo de fazer sexo e, cada vez que ouço, tenho vontade de entrar no aparelho de televisão e tapar as bocas dos personagens.

Ultimamente o absurdo da ignorância é querer convencer o publico de que um casamento celebrado por Juiz de Paz só tem validade com as assinaturas dos nubentes.

O tal noivo falece antes de terminar a assinatura na certidão. Ao assistir a veiculação de repetidas ignorâncias sobre  o mesmo tema, não me contive comecei a gritar com a tv.

Vamos então esclarecer:

- Prevaricar é crime praticado por servidor público.

- Ninguém, nunca assina certidão de casamento, o documento que é assinado depois da declaração do Juiz de Paz, que imediatamente torna os noivos legalmente casados, é a folha do livro, que é uma ata da assembleia, na qual narra-se tudo o que aconteceu durante o ato solene, além de qualificar os noivos e as testemunhas do ato.

Tenho dito.