Terça, 20 de Agosto de 2019

O Repórter

Bebeto e Taffarel relembram os 25 anos da conquista da Copa do Mundo de 1994

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação... - 17 de julho de 2019 às 20:30
Lucas Figueiredo/CBF
Bebeto falou sobre a conquista do tetra

RIO (OREPORTER.COM) - Há 25 anos, o Brasil voltava a ser campeão mundial de futebol. A conquista da Copa do Mundo de 1994 retirou um grito que ficou entalado na garganta por 24 anos. A partida final foi com drama, sendo decida nos pênaltis conquista a Itália após um 0 a 0 nos 120 minutos de tempo normal e prorrogação.

A conquista nos Estados Unidos foi relembrada nesta quinta-feira (17) pela Confederação Brasileira de Futebol. Camisa 7 do Brasil em 1994, Bebeto destacou a importância dessa conquista.

"Quando se veste a camisa da Seleção, é sempre uma responsabilidade muito grande. A gente sabia disso. O grupo vinha junto há muito tempo. Mas tirava de letra porque trabalhamos muito para isso, para conquistar esse título tão sonhado por nós e pelo povo brasileiro. Não podíamos errar mais", disse o ex-jogador ao site oficial da CBF.

Bebeto foi o companheiro de ataque de Romário naquela disputa. E o gol feito pelo camisa 7 com a assistência do Baixinho nas oitavas de final contra os Estados Unidos foi um dos momentos lembrados pelo ex-jogador, pois tratava-se de um jogo contra os donos da casa e no dia da independência do país, uma das datas mais importantes dos americanos.

"Acho que, não só para mim, o jogo contra os Estados Unidos foi o mais difícil que tivemos na Copa. Era dia da independência, eles são muito patriotas, queriam fazer história em cima do Brasil. Naquele jogo ali, tivemos certeza que íamos ser campeões do mundo", lembrou.

Goleiro titular na campanha do Brasil em 1994, Taffarel relembrou a dramática disputa de pênaltis contra a Itália. Embora a importância tenha sido grande, o camisa 1 foi modesto ao falar daquele momento.

"Não foi uma Copa que eu tenha participado tanto. Se você perguntar para o Parreira, por exemplo, ele vai dizer que eu nem toquei na bola, pra defender o sistema defensivo dele (risos). Mas acho que na própria final, foi uma bola simples, se não me engano foi o Massaro que chutou. Primeira bola que ele chutou veio em cima de mim, mas veio uma bola tão quente... Muitos não deram tanta importância, mas para mim foi uma bola muito perigosa. Eu estava atento, mas se eu não estivesse ligado, poderia me complicar. É uma defesa que só quem é goleiro enxerga o grau de dificuldade", relembrou o goleiro em entrevista ao site da entidade.

No último sábado (13), a CBF promoveu um encontro com os campeões de 1994, na Granja Comary, em Teresópolis.

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: