Sábado, 16 de Outubro de 2021

O Repórter

Biden e Macron aliviam tensão após crise de submarinos

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação - 22 de setembro de 2021 às 18:12 (Atualizada em 22 de setembro de 2021 às 18:15)
divulgação / Casa Branca

WASHINGTON (ANSA) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, telefonou nesta quarta-feira (22) para seu homólogo francês, Emmanuel Macron, para discutir a crise entre os dois países, envolvendo a nova aliança entre EUA, Reino Unido e Austrália, chamada de Aukus, e aliviar a tensão diplomática.

Segundo comunicado da Casa Branca, os dois líderes concordaram em abrir um processo de consultas aprofundadas para "garantir a confiança e propor medidas concretas em direção a objetivos comuns".

Desta forma, "eles se encontrarão na Europa no final de outubro, a fim de alcançar entendimentos compartilhados e manter o ímpeto neste processo".

O governo americano disse ainda que Biden e Macron conversaram "a fim de discutir as implicações do anúncio de 15 de setembro" e "concordaram que a situação teria se beneficiado de consultas abertas entre aliados sobre questões de interesse estratégico para a França" e os parceiros europeus dos EUA.

Na data mencionada, Biden e os premiês britânico, Boris Johnson, e australiano, Scott Morrison, anunciaram o acordo para a construção de submarinos com propulsão nuclear.

O problema é que, em 2016, Camberra havia fechado um tratado no valor de 56 bilhões de euros com os franceses para a produção e entrega de 12 submarinos normais, por meio do Naval Group. Ap fazer o anúncio da Aukus, Morrison afirmou que o contrato com Paris estava cancelado.

A atitude irritou profundamente os franceses, e provocou uma dura reação dos Ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Os embaixadores da França nos dois países também foram convocados. Além disso, o pacto foi alvo de críticas por parte da União Europeia, que reclamou que os europeus não foram avisados em nenhum momento e, portanto, foram pegos de surpresa.

"O presidente Biden reafirma a importância estratégica do envolvimento francês e europeu na região do Indo-Pacífico", declarou a Casa Branca, ressaltando que "os Estados Unidos também reconhecem a importância de uma defesa europeia mais forte e capaz, que contribua positivamente para a segurança transatlântica e global e seja complementar à OTAN".

Por fim, Macron decidiu que o embaixador francês retornará a Washington na próxima semana, um gesto diplomático que ameniza a relação das nações.

Terrorismo - Durante a conversa, os líderes também debateram a luta conjunta contra o terrorismo. Os Estados Unidos, por sua vez, prometeu reforçar o seu apoio às operações de combate ao terrorismo no Sahel conduzidas por Estados europeus.

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: