Segunda, 13 de Julho de 2020

O Repórter

Colégios, centro afro e até escola de samba vão abrigar peregrinos na JMJ

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação - 21 de julho de 2013 às 13:53

RIO DE JANEIRO (Agência Brasil) – Os peregrinos que chegarem ao Rio para a Jornada Mundial da Juventude, entre os dias 23 e 28 deste mês, não deverão encontrar dificuldades para se hospedar. Foram cadastradas pela organização do encontro 300 mil vagas, incluindo casas de famílias, paróquias, escolas, além de locais inusitados, como centros culturais e quadras de escolas de samba. Até essa semana, 155 mil peregrinos haviam feito inscrição com opção de hospedagem.

Os bairros com maior número de vagas estão localizados nas zonas norte e oeste da cidade, como Campo Grande, Santa Cruz, Bangu, Realengo, Taquara, Barra da Tijuca, Guaratiba e Paciência. Haverá vagas também no Centro e no bairro de Icaraí, em Niterói.

Na maior parte dos casos, para receber os visitantes basta oferecer um local limpo, com banheiro e cozinha, onde poderão ser preparadas algumas refeições. Os jovens, em sua maioria, trazem colchonetes ou sacos de dormir. Não é obrigatório oferecer refeição, pois no momento da inscrição, os peregrinos optam se querem receber almoço e jantar.

O município do Rio preparou 280 escolas públicas para atender a até 70 mil peregrinos. A logística está a cargo da Rio Eventos, que selecionou apenas colégios com capacidade de receber os visitantes com conforto – escolas com cozinha, banheiros e vestiário.

A Secretaria Estadual de Educação disponibilizou 87 escolas para a Semana Missionária, que antecede a JMJ, e 84 escolas no Rio, Grande Rio e municípios próximos, para abrigar os peregrinos durante o evento. Na escola que funciona dentro do Jockey Club Brasileiro, na zona sul da cidade, ficarão hospedados 300 estudantes.

Se o visitante preferir, poderá se hospedar em locais alternativos. Em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, 80 peregrinos portugueses e espanhóis ficarão abrigados na Instituição Afro-Cultural Ojuobá Axé. A coordenadora do espaço, Luana Guimarães, explica que o centro, onde ocorrem diversos cursos, incluindo temáticas africanas, é ecumênico e aceita todas as orientações religiosas. “Eu sou católica, mas acredito em todas as religiões.”

Hospedagem mais agitada terão os 60 peregrinos que ficarão na quadra da Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense, em Ramos, na zona norte. Já neste domingo, eles serão recepcionados por um show musical e festa julina. Mas sem gula ou excessos, tudo dentro dos preceitos cristãos.

Tags:
almooço e jantar, centros culturais, colchonete, colégios, Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense
  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: