Quinta, 19 de Setembro de 2019

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De Coração Aberto - Que Papa, o Papa Francisco!

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 16 de novembro de 2013 às 16:03

Nós, que vivemos e conhecemos outros Papas, não deixamos de nos surpreender, a cada dia, com o atual, Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco. Já disse alhures que ele nos saiu melhor do que a encomenda.

O melhor elogio que poderia lhe fazer é que ele é o Papa que São Francisco de Assis teria gostado de ter em sua Igreja na Idade Média. A cada dia, reza a missa “para os outros”. Não tem uma capela privativa. Come com outras pessoas num refeitório comunitário. Dorme numa casa em que muitos outros dormem. Sua simpatia é irradiante, é, no melhor estilo, italiana. Abraça as pessoas, não foge da dor dos que se aproximam. Pede desculpas quando não pode dar tempo aos outros, porque seus compromissos o requisitam para outros afazeres. É lúcido quando afirma que não adianta ter sido batizado na Igreja, ter feito a Primeira Comunhão e casado catolicamente, se a pessoa não segue apaixonadamente Jesus Cristo. Sem papas na língua, diz preferir uma Igreja que se equivoca por fazer algo, do que uma Igreja doente por ficar fechada. Pede aos casais que não se esqueçam, para serem felizes, de três palavrinhas: Por favor, obrigado e desculpa. Num ritmo alucinado, recebe autoridades de todo o mundo: o Presidente da República da Guiné Bissau, o Presidente do Panamá e o Presidente do Banco Mundial.

Enquanto nossa Presidenta se esfalfa em cobrar satisfações dos Estados Unidos, por ter sido o Brasil monitorado e espiado despudoradamente pelos Serviços de Inteligência daquele país, o Papa dá de ombros quando lhe revelam que o Vaticano também foi espionado. Parece ter pensado: Quem não deve, não teme! Coloca a Igreja no pelourinho, fazendo distribuir, ao mundo, uma série de perguntas que abordam questões sensíveis e mordentes. Deseja saber o que o Povo de Deus pensa sobre tais questões, e não apenas a opinião de uma elite religiosa e de barrete colorido na cabeça. E insiste em assuntos que tem alma e coração, que criam sofrimento e perplexidades, e não apenas a dependência de secos princípios teológicos e pastorais. Misericórdia, Serviço, Abertura, eis alguns tópicos e marcas que deseja que sua e nossa Igreja apresente. Na Cátedra de São Pedro, não está sentado um Príncipe ou um Professor, mas um Bom Pastor, que andava pelas ruas e becos de Buenos Aires, e agora lava os pés de marginais nas prisões de Roma e reúne, sem esforço, mais de 100 mil pessoas a cada quarta feira na Praça de São Pedro. Este é o nosso Papa, assim é o Papa Francisco, italiano por sobrenome, franciscano por espírito e jesuíta por vocação. É uma bênção para a Igreja e um líder espiritual para o mundo. Combate a fome, como escândalo mundial inaceitável, e apresenta Jesus, como única esperança definitiva. Gosta dos jovens, sem desprezar os vovôs e idosos. Pede diálogo e complementação entre as idades. Se pudéssemos classificá-lo com uma só palavra, diríamos que é humano, muito humano. Com alegria, e sem solenidade, o deixaríamos entrar em nossa casa e lhe serviríamos a mesma comida que comemos. Que Deus o abençoe e o conserve por muitos anos! E que ele continue a nos surpreender, pois uma das características do verdadeiro amor é ser, quando menos se espera, surpreendente.

Oração pelo Brasil

Querido Deus, grande e bom, senhor da terra e do céu:
Tu és também o dono de nossa querida terra, o Brasil.
Abençoa-nos com tuas graças e protege-nos com teu poder.
Olha para os pequenos e fica do lado dos crucificados.

Te oferecemos, principalmente, a dor dos nossos pobres
e a aflição daqueles que não têm nem um pão para comer.
Acode à dor dos que são humilhados e se sentem sem dignidade,
porque são maltratados com arrogância pelos privilegiados.

Não permitas que maus brasileiros, governantes ou não,
transformem esta linda Terra Prometida num valhacouto
para suas rapinagens desmedidas e ambições desvairadas.
Pelo contrário, que a justiça os faça sentir os rigores da Lei.

Desperta em todos nós, brasileiros, a consciência da cidadania
e o orgulho de servirmos à nossa pátria, forjando seu grande destino.
Que nunca nos falte grandeza para viver nem disposição para o sacrifício.
Em tudo e com todos nos comprometemos com o bem comum.

Querido Deus, grande e bom, senhor da terra e do céu:
Muito te agradecemos porque foste generoso com o Brasil.
Deste-nos tua Mãe Aparecida para que fosse nossa Rainha
e teu Filho para que fosse nosso Cristo Redentor. Amém.

“Não vivemos para sofrer, mas para superar o sofrimento. Não vivemos para amar a morte, mas para transformá-la em continuo desafio à vida. Nisso está o perigo e a dignidade de viver. A vida sem a morte e sem a alegria de viver seria uma caricatura da vida. Não temos apenas o direito à alegria, mas o dever da alegria. Não temos apenas o direito de lutar contra o sofrimento, a miséria, a opressão e a morte, mas o dever de travar esse diálogo para alcançar uma vitória. Mas a única vitória que podemos ter contra a morte é que ela não nos impeça de amar a vida. Não é fácil. Porque tudo é mistério”.

Alceu Amoroso Lima (Tristão de Athayde), 1893-1983 - Escritor e líder católico leigo, nascido em Petrópolis

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net


  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: