Sexta, 03 de Abril de 2020

O Repórter

Morre Carlinhos Maracanã, ex-presidente da Portela e fundador da Liesa

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação... - 07 de fevereiro de 2020 às 16:10 (Atualizada em 07 de fevereiro de 2020 às 16:18)
Henrique Matos/Divulgação
Carlinhos Maracanã tinha 93 anos

RIO (OREPORTER.COM) - Morreu nesta sexta-feira (7), aos 93 anos, Carlos Teixeira Martins, o Carlinhos Maracanã. Ele foi presidente da Portela e um dos membros fundadores da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa).

Carlinhos foria de mal de Alzheimer e estava internado desde o início desta semana no Hospital casa, no Rio Comprido, Zona Norte do Rio.

Nascido em Portugal, Carlinhos foi dirigente do Madureira Esporte Clube. Convidado por Natal da Portela, passou a frequentar a escola de samba. Em 1972, passou a ser presidente da agremiação azul e branco.

Em 1984, ajudou a fundar a Liesa, que administra o Grupo Especial das escolas de samba até hoje. 

Carlinhos deixa esposa uma filha e dois netos.

A Portela divulgou uma nota oficial lamentando a morte do dirigente:

"O ex-presidente da Portela, Carlos Teixeira Martins, o Carlinhos Maracanã, faleceu na madrugada desta sexta-feira (7), aos 93 anos. Sócio benemérito e membro nato do Conselho Deliberativo da agremiação, Carlinhos estava internado desde o início da semana no Hospital Casa, no Rio Comprido. A causa da morte foi falência múltipla dos órgãos. O ex-dirigente sofria de mal de Alzheimer.

O velório será realizado no Cemitério da Penitência, no Caju, nesta sexta-feira, das 16h às 21h (sala 2). O corpo será cremado neste sábado, às 9h.

Nascido em Portugal, Carlinhos Maracanã foi diretor do Madureira Esporte Clube antes ter contato com o samba. Convidado pelo lendário Natal da Portela, passou a frequentar a Portela na década de 1960. Em 1972, assumiu a presidência da Azul e Branco.

O início da sua gestão foi marcada pela construção da nova sede da escola, o Portelão, na Rua Arruda Câmara, que anos depois passaria a se chamar Rua Clara Nunes. Em 1984, Carlinhos integrou o grupo de fundadores da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa). Seu último carnaval à frente da Portela foi em 2004. Anos depois, virou patrono da coirmã Estácio de Sá.

Carlos Teixeira Martins deixa a mulher, dona Uyara, uma filha e dois netos."

O presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, o vice-presidente Fábio Pavão e toda a diretoria da escola lamentam o falecimento de Carlinhos Maracanã e se solidarizam com seus familiares e amigos neste momento de luto.

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: