Sexta, 28 de Fevereiro de 2020

O Repórter

No Rio de Janeiro, ainda falta médico apesar do crescimento da rede SUS

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação... - 21 de agosto de 2013 às 12:09

RIO DE JANEIRO (Agência Brasil) -  Mesmo com os números apresentados pelas secretarias Municipal e Estadual de Saúde mostrando crescimento do atendimento à população, faltam médicos nas clínicas e hospitais para cuidar efetivamente dos pacientes. A avaliação é do presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sinmed-RJ), Jorge Darze.

“Essa história de dizer que se ampliou o projeto Saúde da Família com as clínicas da Família é uma balela. Isso por si só não é suficiente, porque na verdade uma boa parte dessas clínicas não tem médicos, então é uma assistência capenga, uma assistência que não contribui. Não basta dizer que tem clínicas da Família, que aumentou a cobertura, porque na verdade isso não funciona dessa maneira”, diz o médico.

A costureira Doralice Ribeiro Neves, de 52 anos, diz que há um ano não tem médico no posto de saúde perto da sua casa, em Campo Grande, na zona oeste do Rio, para tratar da hipertensão. “Está uma bagunça no Mendanha [posto de saúde], não tem médico, já tem um ano que foi retirado. Ginecologista também, tem mais de dez anos que só tem para grávida. A saúde, verdadeiramente, está um caos”.

A dona de casa Sonaike Chaves de Souza, de 25 anos, explica que levava os três filhos para acompanhamento regular com pediatra no Posto de Saúde Francisco de Assis, perto de sua casa, no Morro São Carlos, na zona norte, mas a médica saiu. “A consulta deles devia ter sido ontem, mas não teve porque a médica saiu. Agora eu estou precisando de atendimento para eles e me mandaram ir na UPA [Unidade de Pronto-Atendimento]”, disse Sonaike.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que contratou 18 mil profissionais entre 2009 e 2012, sendo 4,5 mil médicos. Além disso, um concurso está em andamento para contratar 1.247 médicos. Já a Secretaria de Estado de Saúde (SES), informa que sua rede conta com 7.113 médicos e que 12,7% das vagas não estão preenchidos, principalmente nas especialidades de pediatria, neurocirurgia, ortopedia, terapia intensiva e anestesia.

O piso salarial dos médicos concursados da SES é R$ 5,5 mil para estatutários atuantes em emergências, R$ 5 mil para temporários atuantes em emergências e R$ 6 mil para profissionais da Fundação Saúde. Já os contratados por organizações sociais recebem em média R$7 mil.

Tags:
SUS, Rio de Janeiro
  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: