Terça, 30 de Novembro de 2021

O Repórter

Paulo Guedes enfrenta debandada por furo do teto de gastos

Ao todo, quatro secretários pediram demissão dos cargos

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação - 22 de outubro de 2021 às 09:23 (Atualizada em 22 de outubro de 2021 às 09:26)
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Furo do teto de gastos foi confirmada por Guedes a empresários

SÃO PAULO (ANSA) - Após o governo de Jair Bolsonaro anunciar a criação do programa Auxílio Brasil, um sucessor do Bolsa Família, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, dizer que isso furaria o teto de gastos em cerca de 30 bilhões, quatro secretários da pasta anunciaram sua saída na noite desta quinta-feira (21).

Deixaram suas funções o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal; o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt; a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas; e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo. Todos estavam em funções que analisavam os impactos fiscais.

As demissões ocorrem após Guedes dizer em um evento com empresários que queria "licença para gastar" e não respeitar a lei que limita os gastos ordinários do governo federal em 2022, ano em que o país vai realizar eleições gerais. A manobra foi apoiada pelo bloco do Centrão no Congresso.

Segundo fontes do Ministério ouvidas por diversos veículos de comunicação, os secretários que saíram estavam no grupo que queriam que o Auxílio Brasil tivesse um valor de R$ 300 por família e não R$ 400 como foi anunciado. O dinheiro viria da reforma do imposto de renda e da polêmica PEC dos Precatórios, que parcelaria dívidas que a União teria que pagar - porém, ambos não foram adiante entre os congressistas.

De acordo com a nota da pasta, Funchal e Bittencourt seguem despachando até a nomeação de substitutos. Os outros dois já deixaram as funções.

Petróleo

Além da debandada da Economia, o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Coelho, também pediu demissão do cargo, informando que irá trabalhar na iniciativa privada.

A saída ocorre em um momento que o governo Bolsonaro é pressionado por caminhoneiros por conta do alta no preço de combustíveis. Um grupo ameaça uma grande greve no dia 1º de novembro.

Para tentar conter os ânimos, Bolsonaro disse que vai criar um auxílio de R$ 400 para os profissionais até 2022.

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: