Segunda, 17 de Junho de 2019

O Repórter

Paulo Pagni, baterista do RPM, está internado em UTI

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação... - 02 de junho de 2019 às 15:16
Divulgação
Paulo Pagni, baterista do RPM

RIO (OREPORTER.COM) - O músico Paulo P.A. Pagni, de 61 anos, está internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital de um município de Salto (SP). Ele é baterista do RPM, uma das bandas que se tornaram símbolos do rock brasileiro na década de 1980.

A banda chegou a comunicar a morte do músico através de uma nota nas redes sociais:

"Infelizmente temos a tristeza de anunciar o falecimento do nosso querido e eterno baterista, Paulo Antônio Figueiredo Pagni, o P.A. Nosso irmão partiu poucos momentos atrás, mas seu legado será eternamente lembrado. Pedimos a compreensão de todos nesse momento de dor e boas vibrações para que sua passagem seja em paz e com muita luz”, dizia o texto.

No entanto, Fernando Deluqui, integrante do grupo gravou um vídeo explicando o assunto. Segundo ele, os profissionais do local onde o músico estava internado entraram em contato informando o falecimento. No entanto, ao chegar no local, foi constatao que o baterista estava vivo, mas em estado grave. A morte foi desmentida pela assessoria de imprensa da Showtima 19, responsável pelo agenciamento da banda. O hospital ainda não se pronunciou.

Carreira

P.A. participou das gravações dos três álbuns clássicos do grupo: "Revoluções por Minuto" (1985), "Rádio Pirata Ao Vivo" (1986) e "Quatro Coiotes" (1988). O baterista também esteve presente na primeira reunião da banda, entre 2001 e 2002. Nessa época, foram gravados o single "Vida Real", música que até hoje faz parte da abertura do programa "Big Brother Brasil", e o álbum ao vivo "MTV RPM 2002".

O músico ainda tocou com Paulo Ricardo, vocalista do RPM, na banda PR.5, grupo de apoio que tocava com o cantor em meados da década passada. Em 2011, o RPM se reuniu novamente para o álbum "Elektra". Em 2018, a banda anunciou que continuaria a tocar, mas sem o vocalista Paulo Ricardo. Com Dioy Pallone nos vocais, o RPM chegou a gravar algumas músicas inéditas, mas não se sabe o futuro do grupo com a morte do baterista.

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: