Domingo, 17 de Novembro de 2019

O Repórter

Sínodo da Amazônia começa no domingo sob ataques na Igreja

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Redação - 04 de outubro de 2019 às 14:41 (Atualizada em 04 de outubro de 2019 às 14:43)
Ansa
Sínodo dos Bispos deve manter os olhos do mundo voltados para a Amazônia

CIDADE DO VATICANO (ANSA) - Sob ataque das alas mais conservadoras do clero, começa neste domingo (6) o Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, que também é motivo de preocupação no governo Bolsonaro por envolver o "calcanhar de Aquiles" do Brasil no cenário internacional.

Durante três semanas, sacerdotes do mundo inteiro se reunirão no Vaticano para discutir novas formas de evangelizar os povos indígenas e de reforçar a presença da Igreja Católica em uma região com "vertiginoso crescimento" - como definiu o próprio Vaticano no "instrumentum laboris" do Sínodo - das denominações pentecostais.

Além disso, a assembleia de bispos deve produzir um discurso contundente em defesa da natureza, em linha com a encíclica "Louvado seja", a primeira exclusiva do papa Francisco e a primeira na história dedicada a temas ambientais.

Além de consolidar a imagem de Jorge Bergoglio como ativista contra as mudanças climáticas, especialmente por seus efeitos nas periferias do mundo, o Sínodo deve manter os olhos do mundo voltados para a Amazônia.

Ao longo dos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro comprou briga com países como Noruega, Alemanha e França por causa do aumento das queimadas na floresta e do esvaziamento dos órgãos de proteção ambiental.

No início do ano, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, já havia reconhecido que o governo estava "preocupado" com o Sínodo por temer interferências do Vaticano em assuntos internos, mas a Igreja vem buscando manter as pontes com o Planalto.

Bolsonaro recebeu na última quarta (2) o núncio apostólico (espécie de embaixador) no Brasil, Giovanni d'Aniello, e o cardeal Cláudio Hummes, amigo pessoal do Papa e relator do Sínodo, disse nesta quinta (3) que a soberania brasileira na Amazônia "não está em discussão".

Apesar disso, Francisco fez questão de afirmar no mesmo dia que considera as queimadas na floresta "um problema mundial". O Sínodo foi convocado em outubro de 2017, um ano antes de Bolsonaro ser eleito presidente.

Conservadores

O discurso climático de Francisco não preocupa apenas governos, mas também fomentou uma oposição feroz nas alas mais conservadoras do clero, capitaneadas pelo cardeal americano Raymond Burke.

Após ter insinuado que Jorge Bergoglio é "herege", Burke e o bispo cazaque Athanasius Schneider convocaram 40 dias de jejum contra as supostas "heresias" contidas no documento preparatório do Sínodo.

Um dos pontos questionados é a discussão de uma proposta que prevê a ordenação de homens casados, preferivelmente indígenas, como padres na Amazônia, que sofre com a escassez de sacerdotes.

Para Burke e Schneider, esses homens seriam o equivalente a "padres de segunda classe capazes de realizar rituais xamânicos". Além disso, acusam o documento preparatório de promover um "panteísmo implícito" ao sugerir que Deus e a natureza são uma coisa só e de "relativizar a antropologia cristã" ao considerar o homem um "mero elo na cadeia ecológica".

Mas o cerne da oposição ao Sínodo está ligado a uma ideia que permeia forças de extrema direita no mundo todo: o ceticismo em relação ao aquecimento global. Em sua convocação do jejum, Burke e Schneider criticam a "crença de que o progresso tecnológico está ligado ao pecado".

Antes disso, o cardeal alemão Walter Brandmuller já havia acusado o instrumentum laboris do Sínodo de fazer uma "agressiva intrusão" em "assuntos puramente mundanos do Estado e da sociedade do Brasil".

Apesar do foco no maior país da América do Sul, o Sínodo também dará destaque às outras oito nações da Amazônia: Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa (território pertencente à França) Peru, Suriname e Venezuela.

Essa será a quarta assembleia sinodal do pontificado de Francisco. Duas delas - uma extraordinária, em 2014, e outra ordinária, em 2015 - foram dedicadas à família, enquanto uma terceira, em 2018, tratou de temas ligados à juventude.

Tags:
Sínodo, Amazônia, Vaticano, Igreja Católica
  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Deixe seu comentário
Mensagem: