Quinta, 19 de Setembro de 2019

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De Coração Aberto - Beleza e belezas

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 08 de setembro de 2013 às 14:36
reprodução

Ë uma grande graça viver não pensando, exageradamente, em si mesmo. É graça e sinal de maturidade não gastar, inutilmente, tempo mexendo na panela do próprio eu. É sadio. Ficar dia e noite mexendo na panela do próprio eu não leva a nada de bom e é neurotizante. Bom mesmo é o que nos oferecem as “panelas” dos outros. Só elas podem saciar nosso exigente paladar. A pessoa que exagera na contemplação de si mesma torna-se meio chata, quando não, uma chata insuportável. Tais pessoas se fazem “espaçosas” e “gelatinosas” (sobremesa de hospital). Elas podem, por sua beleza externa, até atrair, mas também assustam. Ao contrário, é fácil admirar um trabalhador que acorda cedo, enfrenta sol e chuva por sua família, que compra uma “joia” para que sua mulher fique mais linda para os momentos de amor e para o orgulho de seus filhos. Mas há belezas e beleza. Ser bonito para envaidecimento próprio e para os olhos dos outros é efêmero e passageiro, como diz a Bíblia: “Enganosa é a graça, fugaz é a formosura” (Pr 31,30). Bom seria ser bonito para fora, para os outros, sem vaidades ridículas. Assim é a beleza das vovós e dos vovôs. Mesmo enrugados e sem os apetrechos das joias, continuam lindos pela beleza e carinho com que cercam seus netos. Viver exageradamente para si, dizia acima, é doentio e, finalmente, entristecedor. Nosso mundo tem muita gente triste por já ter perdido a beleza externa, sem possuir aquela beleza que os tornaria agradáveis e simpáticos. Sendo belos para os outros, poderíamos ser mais felizes. Sozinhos, seremos apenas chatos e doentes, vivendo famintos de uma felicidade que não soubemos, no devido tempo, construir e cultivar. Gosto de encontrar pessoas lindas que encantam com uma beleza da qual vivem esquecidas. Elas merecem todos os PLACs. E nossa admiração encantada.

Aniversário de Nossa Senhora

O mundo não para quando fazemos aniversário, mas quando fazemos anos é sempre um dia especial para nós e para nosso pequeno mundo. Pois, neste domingo, estamos celebrando o aniversário de Nossa Senhora, é o dia de sua Natividade. Num evangelho apócrifo, os pais de Nossa Senhora são pintados como piedosos, caritativos e tementes a Deus. Eram justos. Mas não tinham filhos, o que era considerado um castigo ou uma maldição. Em certa ocasião, seu pai Joaquim foi ofendido e impedido de oferecer seu óbolo no Templo. Chorou muito. Desesperou-se, retirando-se para o deserto, prometendo que não mais comeria até que Deus lhe concedesse a graça de um filho. Rezava e gritava ao céu. O mesmo fazia sua esposa Ana. E dizia: “Ó Deus, as aves têm filhos, as plantas têm frutos, só eu não tenho um filho. Por que sou amaldiçoada? Por que meu ventre é estéril?” Segundo a tradição, apareceu-lhe um anjo que lhe prometeu, em nome de Deus, que suas orações e os gemidos de seu marido tinham sido atendidos. Eles teriam uma filha que seria uma bênção para todas as gerações. Eles prometeram consagrá-la a Deus. Assim aconteceu. Nove meses depois, nasceu-lhes uma menina a quem deram o nome de Miriam, Maria em latim e em português. O resto da história todos a conhecemos. Mais tarde esta menina viria a ser a mãe de Jesus, sendo reverenciada em todo o mundo. Na insignificante vila de Nazaré brilhou uma luz que a piedade popular chamou de “estrela da manhã”, “consoladora dos aflitos”, “auxílio dos cristãos”, “rainha dos santos e dos anjos”, nossa Mãe e Rainha. Seu aniversário é festejado hoje, dia 8 de setembro.

Oração - 1

“Ó Senhora minha, ó minha Mãe! Eu me ofereço todo a vós e em prova de minha devoção para convosco, eu vos consagro, neste dia, meus olhos, meus ouvidos, minha boca, meu coração e inteiramente todo o meu ser. E como assim sou vosso, ó boa Mãe, guardai-me e defendei-me como coisa e propriedade vossa. Amém.”

Oração - 2

“Debaixo de vossa proteção nos refugiamos, ó santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Senhora nossa, Medianeira nossa, Advogada nossa! Com vosso Filho reconciliai-nos; a vosso Filho recomendai-nos; a vosso Filho apresentai-nos. Amém.”


PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que afirmou que “fé e violência são incompatíveis”.
PLAC! PLAC! para o Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, que teria sido convidado pelo Papa Francisco para servir no Vaticano.
PLAC! PLAC! para a Justiça brasileira que determinou que as companhias aéreas tansportem, de graça, dois deficientes em cada um de seus voos.

UUUH! UUUH! para a Venezuela que, entre 148 países, ocupa o 134º. lugar em termos de competitividade. O Brasil é o 56º. e a Argentina o 104º.
UUUH! UUUH! para os USA que espionam outros países e governos sem escrúpulo e mentem, sem pudor, em suas explicações.
UUUH! UUUH! para as tentativas de atrair mais espectadores aos teatros do Rio de Janeiro, sem levar em conta o preço exorbitante dos ingressos.

MEU DEUS! Os Governos da Síria e do Egito matam, cruelmente, seus cidadãos, para manter-se no poder.
MEU DEUS! Usain Bolt, o jamaicano campeão do mundo em corridas de 100 e 200 metros, recebe US$ 300 mil por participação em qualquer evento, ou seja, US$ 3 mil por metro que corre.
MEU DEUS! 30% dos brasileiros têm excesso de gordura, que pode levar ao infarto, segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia.


“O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominaram a si mesmos”. Albert Schweitzer, 1875-1965, Teólogo e médico alemão

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net

De Coração Aberto - Nossos Santos

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 01 de setembro de 2013 às 13:37

Os santos são uma grande riqueza e um belo lembrete para a Igreja Católica. Aliás, no Hino Oficial do Vaticano se canta e decanta a “Roma dos mártires e dos santos”. Para evitar qualquer mal-entendido, começo dizendo que os santos não são adorados, mas venerados. Os santos são figuras brilhantes e estelares no céu de nossa fé e dos caminhos humanos e evangélicos que todos trilhamos. Foram e fizeram o que deveríamos ser e fazer. Estão com Deus, depois de terem apresentado uma vida de virtudes extraordinárias. A cada dia, o Santoral da Igreja (livro dos santos) apresenta um grande número deles. Somente durante o papado de João Paulo II, foram canonizados 580 santos. Mas há milhares deles que gozam da “honra dos altares”. Mas há muitos mais, milhões e milhões, que não invocados, mas que foram grandes em sua santidade. Lembro-me, por exemplo, de meu pai e de minha mãe. Pois bem, neste domingo, gostaria de propor aos Leitores desta coluna, dois santos, mãe e filho: Santa Mônica e Santo Agostinho.



Santa Mônica

Sua biografia pode não ser muito extensa, mas sua vida foi muito intensa. Dela escreveu seu filho Agostinho: “Pela carne, concebeu seu filho para a vida temporal, mas, pela fé e coração, o fez nascer para a vida eterna”. Mõnica nasceu em Tagaste, norte da África pelo ano 332. Sofreu muito com a rudeza de seu marido, a quem foi dada em casamento por seus pais. Mas era uma mulher forte, armada de muita mansidão e paciência. Domado pela piedade dela, o marido amaciou seu temperamento, converteu-se e morreu professando a fé cristã. De seus dois filhos, Agostinho lhe deu muitas dores de cabeça. Era vaidoso, pretencioso e carnal, como veremos abaixo. Queria ser uma estrela em Roma, mestre de Retórica dos Senadores romanos. Não tendo encontrado espaço na capital romana, acabou indo para Milão. Lá, se deu bem, pois foi surpreendido pelo grande orador Santo Ambrósio. Caiu literalmente de seu cavalo e se converteu. Voltou para Óstia, porto marítimo de Roma, e encontrou-se com sua mãe MÔNICA que continuava chorando por seus descalabros. Em seus braços, morreu sua santa mãe e ele voltou para Cartago, onde terminou sendo nomeado BISPO, tornando-se um dos maiores teólogos da Igreja em todos os tempos. Se alguém desejar ler um livro que é sua biografia "rezada", leia CONFISSÕES, um dos melhores livros que já li em toda a minha vida. Abraço a todas as mães que choram por seus filhos e peço a vocês, filhos, deixem os maus caminhos da vida, enxuguem as lágrimas delas e cuidem delas quanto puderem, pois elas merecem o maior amor, elas que os amam e amaram tanto. Abraço mães (como Mônica) e filhos (como Agostinho) e peço perdão se algum dia eu fiz chorar minha mãe.

Santo Agostinho

Se converteu. Voltou para Óstia, porto marítimo de Roma, e encontrou-se com sua mãe Mônica que continuava chorando por seus descalabros. Sua mãe morreu em seus braços. De volta à Africa, estabeleceu-se em Cartago, onde terminou sendo aclamado para ser Bispo, tornando-se um dos maiores teólogos da Igreja de todos os tempos. Se alguém desejar ler um livro que é a sua biografia “rezada”, leia CONFISSÕES, um dos melhores livros de espiritualidad que já li em toda a minha vida. Abraço a todas as mães que choram por seus filhos e peço a vocês, filhos, que não façam chorar de tristeza suas mães. Elas merecem todo o seu carinho e atenções. Abraço todas as mães (como Mônica) e todos os filhos (como Agostinho) e peço perdão à minha mãe se a fiz, algum dia, chorar de tristeza.



Santo Agostinho II


No tópico acima, pintei um pouco a figura de Santa Mônica que está essencialmente ligada à pessoa de seu filho, Agostinho. Suas lágrimas comoveram os céus e lhe restituíram o filho que tinha se perdido e acabou se convertendo. Agora, permitam-me delinear um pouco a imagem de Santo Agostinho, seu filho, pretencioso pofessor de retórica, que escreveu o imortal clássico CONFISSÕES. Na primeira página desta sua obra, ele deixou uma sentença que percorreu a espiritualidade e é sempre citada. “Nos criastes (ó Deus) e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em vós”. Todo bom pregador de Retiro, em tempos idos, citava este pensamento. Nesse fim de semana, devo pregar um Retiro para Casais, em Petrópolis, e certamente me lembrarei de Santo Agostinho. Mas ele não foi, em sua juventude, o santo que acabou sendo no fim de sua vida. Escreveu de si mesmo: “Quantas vezes, na adolescência, ardi em desejos de me satisfazer em prazeres infernais, ousando até entregsar-me a vários e tenebrosos amores! A minha beleza definhou-se e apodreci a Vossos olhos, por buscar a complacência própria e desejar ser agradável aos olhos dos homens”. Ele não explicita quais eram estes “prazeres infernais” nem “estes amores tenebrosos”. Mas termina sua biografia rezando: “Fazei que meu coração e minha língua Vos louvem e todos os meus ossos exclamem: Senhor, quem há semelhante a Vós?”. Este pode ser parte do itinerário “infernal” e “tenebroso”de um grande santo. Mas é possível sair desta situação e remontá-la e, finalmente, confessar: “Quando Vos procuro, meu Deus, busco a vida eterna. Procurar-Vos-ei para que minha alma viva. O meu corpo vive da minha alma e esta vive de Vós”. Que ninguém desespere, se estiver no caminho do mal! O dia de amanhã poderá ser o dia do grande encontro com Aquele que é “a vida da nossa vida”, como também escreveu o grande Santo Agostinho, filho da maravilhosa Santa Mônica e da misericórdia de Deus.



PLAC! PLAC!
para os Bispos Eméritos Dom José Maria Pires, Dom Tomás Balduíno e Dom Pedro Casaldáliga que pediram aos demais Bispos que a Igreja seja fiel às orientações do Concílio Vaticano II.
PLAC! PLAC! para o Brasil que está dando asilo político a mais de 40 jovens da JMJ, provenientes de vários países onde se sentem perseguidos por sua fé.
PLAC! PLAC! para a Igreja Católica que tem mais de 5 mil Bispos e 412 mil sacerdotes.

UUUH! UUUH!
para os Deputados do Congresso que, apesar das manifestações, continuam de costas para o clamor das ruas.
UUUH! UUUH! para a violência contra os gays que aumentou 166%, em 2012.
UUUH! UUUH! para a violência entre as torcidas nos campos de futebol no Brasil e no mundo todo.

MEU DEUS! No Vaticano, trabalham 3 mil pessoas, sendo que 50 ocupam cargos especiais.
MEU DEUS! Salvador é a cidade que consome, per cápita, mais álcool, no Brasil.
MEU DEUS! Pesquisa revela que 70% dos espanhóis estão insatisfeitos com a democracia.


“Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É saber falar de si mesmo. É não ter medo dos próprios sentimentos”.
(Fernando Pessoa, 1888-1935, poeta e escritor português)

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net