Sexta, 07 de Agosto de 2020

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De Coração Aberto - Confissões de um cronista

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 06 de outubro de 2013 às 01:50

Tenho 75 anos e, neste domingo, nosso portal O REPÓRTER está publicando minha 75ª colaboração. Confesso que nada é muito e nada me parece pouco. Fazer anos pode não ter importância transcendental para o mundo (os outros), e abrir o coração, em colunas dominicais, pode apenas arrepiar seu escriba. Números são apenas números, quando por detrás deles não existem suor e sangue, hesitações e esforçada boa vontade. Nos 75 anos de vida e de colunas, os espectadores os leitores podem, generosamente, bater palmas ou, desdenhosamente, sacudir os ombros e sussurrar baixinho: “Coitado!” Diante de uma reação ou outra, no entanto, debate-se e espreme-se um pobre caranguejo que as ondas do mar arrastam para o duro rochedo. Vai salvar-se ou espatifar-se? Talvez nem isso seja importante. Mais importante é que o caranguejo existe nas costas de uma onda ou na esperança de não morrer numa concha da pedra. De qualquer forma, agradeço a Deus pela vida, às pessoas pela paciência e amizade e aos meus Chefes e Leitores pela benevolência.

Papa para a nossa esperança


Foto: Osservatore Romano

Aos poucos, o “jesuíta” do Papa vai aparecendo, sem contrapor-se ao “franciscano”. Hay que endurecer e o Papa está endurecendo, sin perder la ternura jamás, e ele não está perdendo. Em suas últimas manifestações “ad intra” da Igreja, o Papa deixou claro não só críticas muito severas, como absolutamente necessárias e esperadas. Foram seus Cardeais eleitores que o orientaram. Para isso ele foi eleito, isto é, para reformar a Cúria Romana, para romper com o “vaticanocentrismo” e fazer a Igreja voltar à sua verdadeira natureza universal. Em outras palavras, não deve o mundo correr para o Vaticano, mas o Vaticano abrir-se para o mundo. A Cúria Romana tem uma geografia e uma natureza auxiliar, enquanto a Igreja tem uma missão. A Cúria deve ser uma instância de serviço, assessorando o Papa, e não um destino de aprovação e sepultamento da missão de toda a Igreja. Há vários papados a Igreja universal pedia mais autonomia e voz para as Conferências dos Bispos dos países. Agora, o Papa está aberto a esta solicitação que é justa e apropriada. Os Sínodos dos Bispos não deverão mais ser uma raridade, mas uma constância. Roma deverá escutar o mundo para que o mundo possa contribuir e obedecer mais fielmente à grande missão da Igreja que é evangelizar. Com palavras duras, disse o Papa Francisco: “Os chefes da Igreja frequentemente são narcisistas, adulados e estimulados de forma negativa por seus cortesãos. A corte é a lepra do papado”. Quanta esperança está semeando o Papa jesuíta Francisco! Que Santo Inácio de Loyola lhe mantenha a disposição para enfrentar os graves problemas que a Igreja tem e que São Francisco lhe seja inspiração de ternura e unidade numa Igreja que esteve, nos últimos 500 anos, dividida entre a Cúria Romana e o resto do mundo católico.

Proselitismo, não!

O ecumenismo (o respeito doutrinário por outros seguimentos religiosos) sempre foi uma pregação positiva dentro da Igreja Católica, a partir, principalmente, do Concílio Vaticano II. Mas era mais uma pregação teórica (desejável) do que prática (concreta). Agora, o Sumo Pontífice fez uma declaração respeitosa e prática em termos ecumênicos. Disse ele: “O proselitismo é uma solene besteira, não tem sentido. É preciso se conhecer, se ouvir e fazer crescer o conhecimento do mundo que nos cerca. Os caminhos que percorrem o mundo podem aproximar ou afastar; mas o importante é que levem ao bem”. E arrematou: “Cada um de nós tem sua própria visão do bem e do mal. Devemos incentivar que cada um siga rumo ao que julga ser o bem”. Olhando para outras Igrejas, principalmente as nanicas, chamadas de pentecostais, vemos que esta visão está longe de ser realidade. Mas isso não deverá tirar da Igreja Católica o seu compromisso de ser ecumênica. Não deve pretender crescer apenas em número, mas na verdade e no serviço. O mundo religioso precisa viver desarmado, pronto apenas para dar a vida, e não para apedrejar os outros.



PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que afirmou: “Os Chefes da Igreja são frequentemente narcisistas, adulados e estimulados de forma negativa por seus cortesãos. A corte é a lepra do Papado”.
PLAC! PLAC! para o Papa Francisco para quem “cada um e nós tem sua própria visão do bem e do mal. Devemos incentivar que cada um siga rumo ao que julga ser o bem”.
PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que apontou, entre os males mais graves que afligem o mundo, a solidão dos idosos e o desemprego dos jovens.

UUUH! UUUH!
para o nosso mundo em que uma entre oito pessoas passa fome, ou seja, 826,6 milhões de pessoas.
UUUH! UUUH! para o Brasil que ainda tem 13,6 milhões de subnutridos.
UUUH! UUUH! para o Brasil que, entre as 200 melhores universidades do mundo, não tem nenhuma ranqueada.

MEU DEUS! No mundo, 56% dos óbitos já são cremados. No Brasil, 8,2%.
MEU DEUS! No Brasil, 5 mil mulheres são mortas, ao ano, por seus maridos e companheiros, ou seja, 15 por dia e uma a cada hora e meia.
MEU DEUS! A população da terra, em 1961, era de 3 bilhões de pessoas. Hoje, de 6.

Leitores

A leitora Carla Damasceno assim nos escreveu, comentando a publicação resumida da entrevista do Papa Francisco, no domingo passado: “Obrigada pela disposição em compartilhar as principais mensagens do coração do Papa Francisco a todos nós; obrigada pelas lindas fotos também. Deus o abençoe!”



“O que temer? Nada. A quem temer? Ninguém. Por quê? Porque aqueles que se unem a Deus obtém três grandes previlégios: onipotência sem poder; embriaguez sem vinho e vida sem morte”. São Francisco de Assis, 1182-1226, Patrono da Ecologia

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net


  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Comentários (1)
  • Inês Ferreira (Rio de Janeiro)

    Esta é uma coluna de peso! Parabéns, frei Neylor, por cada uma das 75 reflexões feitas no site. Sou eterna aprendiz de teu profundo e belo testemunho de vida. Um abraço fraterno!

    06/10/2013 01:03 Carregando...
Deixe seu comentário
Mensagem: